Nó Cego e Bengala de Cego

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A U S Ê N C I A



Careço do seu amor,
Me perco no nevoeiro denso da paixão,
Esse seu amor que com o tempo perdeu a cor,
Restando só o meu nessa triste lição.
Os frutos vieram com o tempo fértil e rico.
Os saudáveis rebentos foram dádivas,
Agora não há mais o dia do fico,
E não consigo virar essas páginas.
Sou um indigente na estrada da amargura,
O precioso povir virou ficção.
O líquido do amor não mais existe para regar essa verdura,
E a horta vive numa completa solidão.
Não há o que mastigar e engolir
Nem cogitar me atrevo.
Quizera tê-la de novo para te esculpir,
Ou te pintar em alto relevo.
Virei objeto de escárnio.
Estou desprezado pela sorte,
Minha face é de um otário
E até meu andar perdeu o necessário porte.
Paradoxalmente sua ausêcia tomou lugar.
Meu sonho está desfeito,
Não há o que comemorar
E eu padeço em meu leito.
Acyr Gomes

livefyre

JOGUINHO DAS BOLINHAS

Para se cadastrar no shoutbox

Esta é a URL no seu shoutbox:
http://NoeBengala.freeshoutbox.net/
Dar este endereço para seus amigos e começar a conversar

Shoutbox