Nó Cego e Bengala de Cego

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

ANO NOVO



Mais um ano que se vai.
Ora flutuamos, ora nos afundamos.
Muitas vezes nos engasgamos até com a baba,
Mas tudo faz parte dos ensinamentos, e é daí que aprendemos.
Mil e uma voltas damos em torno.
O embaraçamento é desorientador.
Quantas e quantas vezes precisamos de um torno
Para nos moldar, de novo, para um futuro promissor?
A incerteza, em certos  momentos, nos acompanha,
O ar torna-se asfixiante,
Mas qual de nós que não apanha?
Sendo mais correto é erguer-se e ir adiante.
Que o Ano de 2013 nos traga inspiração,
Que nada venha causar  tropeço
Que haja diária motivação
Pedindo a ELE total apreço.
Nosso eterno e amado blog da Bengala e Nó
Seguirá firme, mesmo com tanta dificuldade,
Onde estaremos juntos puxando o trenó
Levando a harmonia, o respeito ao jovem e à terceira idade.
Iremos, se Deus quizer, ao fim do Ano Novo bailar,
E juntos cumpriremos mais esta missão,
Pois o pricipal motivo é fluir para cada lar
O imenso carinho que brota do nosso coração.

Acyr Gomes

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

I M P O T Ê N C I A



Impotente fico diante da minha fraqueza.
Esta manifestação vem do coração,
Pois não consigo ter a certeza
Que conseguirei esquecê-la depois de tanta avaliação.
Esta exposição de sentimento queria te demonstrar,
Esta explosão de amor está sempre presente em mim.
Desejo veemente te conquistar,
Mas esta verdadeira ambição parece não ter fim.
Queria ter o poder de dissolver esta doce dor,
Como a água dissolve a aquarela,
Desta forma tornar-se-ia desbotado este amor,
Tornando quase branco toda a tela.
Não consigo disfarçar.
Não consigo de forma alguma te olvidar.
O meu anseio é em teus braços adormecer,
Sabendo que ali estarei até o amanhecer.

Acyr Gomes

sábado, 22 de dezembro de 2012

TÃO DISTANTE



Quando a vejo debruçada na janela,
Sou grato pela minha profissão de carteiro.
Para mim ela é a Cinderela
E eu um simples aventureiro.
Na minha imaginação repleta de fantasia
Sou seu príncipe encantado,
Tendo sobre todos a ousadia
De tê-la conquistado.
Sua formusura me deixa dominado.
Seus cabelos de uma cascata dourada
Me faz desejar ser banhado
Tendo ao meu lado ela, a primeira namorada.
No real prefiro ser seu súdito
Cercá-la de carinho e afeição
Pois meu sentimento é púdico
E me sufoca de tanta paixão.
Temerário fico de olhar de longe aquele lindo ser,
Pois minha timidez alimenta este distar.
Como sofro por não ter coragem e poder
Para me aproximar e a conquistar.

Acyr Gomes

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

S U R P R E S A



A carta não era esperada, mas chegou.
Olhando o remetente cheguei a sorrir,
Mas ao abrir o envelope tudo naufragou
Me dando vontade de fugir.
Apenas uma folha em branco
Com àquelas finas linhas no horizontal.
Sinceramente, tomei um tranco
Pelo silêncio anormal.
Devo escrever de volta
Citando as mesmas palavras,
Ou dando uma de John Travolta
Soltando a voz com lagartos e cobras?
Me sinto numa gangorra
Em que as cordas se soltam do galho,
E ainda no alto penso: Mas que p...
Ou então: Mas que baralho!!!
Profunda dor toma conta de mim,
E me pergunto: O que pode ter havido
Para esta mudez sem fim?
Ficando meu coração totalmente entristecido.
De repente um som alto me desperta,
É o telefone que toca na cozinha,
E àquela voz tão conhecida me alerta!!!
Leu a missiva? kkkkkk, foi só uma pegadinha.

Acyr Gomes

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

C A L M A R I A



No meu repouso penso nela diariamente.
De domingo a domingo a quietude veio morar,
E nesse descanso, agora perpétuo, ela surge em minha mente
Tão linda e formosa que dá gosto de lembrar.
Paradoxalmente, a distância nos une,
Não fisicamente, é claro, mas em pensamento.
Sinto até seu suave perfume
Que a brisa me trás a todo momento.
Um casal de cisnes nada pelo lago,
É como se fosse eu e ela a banhar.
De quando em quando recebo seu carinhoso afago,
E peço a Ele: Deixa-me sonhar!!!
Alheias ao meu pensar e descansar,
As aves voam freneticamente prá lá e prá cá
Num sobe e desce indefinido no ar,
Me fazendo levantar a cabeça para olhar.
Fora isto, o silêncio é absoluto.
A mansidão às vezes me apavora,
Mas no dia seguinte já estou resoluto
E tudo volta a ser como outrora.

Acyr Gomes

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

CENAS DA VIDA



Vindo dos bastidores da inocência ao abrirem-se as cortinas,
Ela veio para o palco da malandragem
Sem imaginar que enfrentaria dias de ruínas
Os quais enfrentou com muita fé e coragem.
As emboscadas foram armadas para o plantio do mal,
E a surdez do caráter se propagou como chama.
Achavam que ela se queimaria como jornal,
Mas sobreviveu junto com quem a ama.
Agora com os sentidos em pleno alerta
E se apresentando no palco do caráter e da justiça,
Ela trilha seu caminho com brilho e festa,
Tapando àquela garrafa de lama fétida com a rolha da honrada cortiça.
Daquele palco agora transformado em um grande jardim,
Ela nasceu e despontou com sua beleza juvenil,
Exalando seu  perfume como o suave jasmim,
E sendo coberta por um lindo e colorido céu cor de anil.
Sua visão ficou cristalina.
Sua ternura  nunca a abandonou.
Agora, tá no alto de uma linda e rosada colina
Olhando com amor e carinho para àqueles que tanto a ajudou.

Acyr Gomes

domingo, 2 de dezembro de 2012

C I D A



Missivas recebidas há anos, ainda causam efeito,
E com lágrimas deslizando em meu semblante,
Umedecem levemente meu peito,
Me fazendo lembrar dela a todo instante.
Suas letrinhas miúdas, mas enormes de calor e paixão,
Ainda reconfortam a minha lida,
Cujas páginas escritas, já desbotadas, trazem emoção
Ao lembrar daquela que carinhosamente chamava de CIDA.
Agradeço a Deus por tê-la encontrado.
Agradeço a Ele por ter vivido ao seu lado.
Ferido estou por ela ter ido,
Mas continuo caminhando mesmo combalido.
Bondade e ternura era seu lema.
Proteger o próximo era seu jardim de flores.
Linda e formosa, parecia um diadema
Pela qual morria de amores.
Me achava um submarino que cortava as águas da paixão,
Cujo destino, único destino, era aportar em seu coração,
Que atingido por um míssil de amor por ela disparado,
Quedava feliz por ter sido alvejado.


Acyr Gomes

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

JAMAIS SE ENTREGAR



O abatimento diante de uma imprevista caída
Nos deixa entregue ao desânimo total.
Nessa hora devemos procurar uma saída
E uma delas é atravessar esse portal.
Beijar o pó é uma lição nesse instante.
Do ponto fraco devemos achar o seu oposto
E o entregar-se deve ficar bem distante
Para que tudo volte ter sentido e gosto.
O ânimo para vencer deve se mostrar,
Agitar sempre a bandeira da vontade no pau.
E jamais, diante do imprevisto, se prostrar
Para voltar navegar nessa nova e preciosa nau.
O domínio interior é primordial,
Procurando um modo hábil para atravessar o percurso
Quando alcançaremos a vitória no porto final,
Fazendo da reviravolta um grande discurso.

Acyr Gomes

sábado, 24 de novembro de 2012

AMOR E CARINHO




Na madrugada de cada amanhecer,
Saindo para a tarefa do dia,
Deixo àquela que faz a minha vida enriqucer
Dando-me amor e carinho que tanto carecia.
Diante daquele arrebol a lembrança dela me consome,
E o amor em meu peito é como um brilhante linho.
Com o passar das horas me sinto com fome,
Fome da amada que ficou em nosso ninho.
No lusco-fusco volto para seus braços,
E caminho rápido para o reencontro tão almejado,
Pois este amor nos une em verdadeiros laços
Sendo por muitos invejado.
Torno-me outra vez crinça,
E a pureza de sentimentos me alcança.
Nosso amor, o grande amor, avança a cada dia
E nesta caminhada, uma paz duradoura e sadia.
As estações passam e nossos laços são renovados.
O nó desta união jamais se desatará
Pois nossos caminhos serão abençoados
Por ELE que sempre nos guiará.

Acyr Gomes

terça-feira, 20 de novembro de 2012

CADA UM



Cada um, acredito, tem seu segredo não revelado.
Mesmo a vivência dos anos, ele está totalmente velado,
E quando algo acontece o seu lembrar vem de imediato
Que nos faz desequilibrar, no ato.
Neste baú tão íntimo, onde ele é guardado
A única chave a nós pertence,
E seu destino será o além, bem planejado
Sem que qualquer outro ser seu saber alcance.
Não desfilará em passarelas diante de jurados.
Não haverá rifa, pegando o bonde da Clarice.
Não aparecerá em classificados, como procurados,
Nem concorrerá em chapas como vice.
Permanecerá guardado nesta caixa de pandora
Onde não terá como se locupletar.
Sozinho caminhará para a masmorra
Até o juizo final se apresentar.

Acyr Gomes

sábado, 17 de novembro de 2012

Escolhas



Tudo na vida tem seu começo, meio e fim
Nossa vida, nossos amores, nossos amigos e inimigos
As vezes nos deparamos com situações difíceis
Entre a escolha de algo ou de alguém
Entre a entrega ou a separação
Entre a liberdade ou a união
São fatos que mudam nossas vidas
Que nos levam para caminhos diferentes
Que a livre escolha nos faz  felizes ou infelizes
Não sabemos no momento da escolha
O que poderá acontecer no futuro
Mas no momento é aquilo que nós queremos
E nada ou ninguém conseguem nos remover da idéia
Talvez nós faremos a infelicidade de alguém
Talvez nós faremos a nossa infelicidade
Mas para aquele momento é o que resolvemos fazer
A vida da muitas voltas e pode ser que numa destas voltas
Conseguiremos ajustar algo que em algum momento
Tenhamos feito a escolha errada
Mas até o mundo girar e passarmos por isto
Talvez não tenhamos mais tempo de remediar
Então ai que a gente pensa que escolha errada que fiz
Ou não, a gente consegue perceber que aquilo que foi doido fazer
No futuro será mostrado que tomamos a atitude certa no momento certo
Mas quem é que sabe o que é certo ou errado hoje
Não somos adivinhos para saber do futuro
É somente o instinto que temos para tomar uma decisão
Então que seja sempre bem pensado e pesado na balança da vida
A sua atitude diante de uma situação difícil
Veja sempre os prós e os contras
Coloque-se no lugar de outras pessoas quando tomar uma decisão
Assim quem sabe possamos errar menos em nossas vidas

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

S O N S


 
Não desejo ser um trovão para te espantar,
Nem um raio para te fulminar,
Só desejo zoar para te fazer rir
E com suas risadas meus ouvidos entupir.
Gosto do silêncio sutil,
Se possível usar meias de lã evitando o ruído.
O brado em mim faliu,
E o barulho deveria ser banido.
De repente pareço ser chato,
Mas convenhamos, barulho demais só em penhasco.
Lá é gostoso se ouvir o eco,
Lá é colossal o repeteco.
O eco não modifica o que foi gritado.
Ele é fiel ao som original.
O que vai,  retorna puro como foi enviado
Pois ele não se faz de terminal.
Morar na roça tem vantagens imensuráveis.
Pela manhã é lindo o cantar do galo.
Na mesa, o fumegante café coado por mãos admiráveis,
Quem já curtiu isto sabe o que falo.
O gazeio das andorinhas é lindo,
Até o zunido da abelha é diferente.
Lá o apito do trem não tem quase,
E o cocorico é atraente.
 
Acyr Gomes

terça-feira, 13 de novembro de 2012

VIAGEM À BRASÍLIA



Ela foi à Brasília, naquele ninho de cobras e lagartos,
Não para ser coadjuvante daqueles falsos,
Mas sim tratar do evento da Avanzzo
Como incentivadora da AME.
Naquele ninho de políticos de mal caráter
Onde as mansões os abrigam de norte a sul,
Ela nada trouxe na sua bagagem
Pois sua honra jamais permitiria tão obsceno ato.
Pudesse ela ter a força necessária 
Para anular tão maus pensamentos políticos
Daqueles que se dizem mandatários do povo,
Mas na verdade são um bando de dromedários
(peço sinceras desculpas aos animais).
Deitam e rolam fazendo Leis que só lhes favorecem
Sufocam o povo com anos de armações maquiavélicas
Neutralizando os que considerarem inimigos.
Por poucas horas Brasília recebeu a luz da honra,
O brilho maravilhoso dela ofuscou os débeis mentais,
Mas chegou o momento de retornar ao lar,
E àquela linda cidade voltou para a escuridão do mal.
A máquina da destruição está sempre ligada,
Suas esteiras deixam marcas da destruição,
E para elas o combustível da hipocrisia não falta.
A força de mudanças está com o eleitor,
Mas a força do dinheiro é mais forte que se imagina.
Compram tudo, até galinheiro
Para na hora neles se votar.

Acyr Gomes

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

FAZENDA DE VERÃO...As primeiras impressões são as que ficam ?

Sei não....Faro está sesaindo melhor que o Britto...mas confesso que encontro nele muito dos trejeitos do apresentador de A Fazenda que não me agradam..se é resultado da orientação da direção...sugiro que se mude a direção...o hábito de narrar o programa durante a edição...de repetir o que já foi dito...como se fosse necessário fazer sempre um resumo para dar continuidade...isso é muito chato...e torna   o programa lento...o tempo perdido na narração e na repetição  poderia ser usado pela edição...mostrando mais e falando menos..a Record peca dando muito tempo ao apresentador...usando -o para segurar a audiência...com tanto material que poderia usar assim como os conflitos e a própria convivência...a produção e direção do programa ainda não encontraram...uma identidade própria...Se os pontos altos  das edições das Fazendas tem sido  a produção das provas,....nesta me parece que acertaram na seleção...esse povo que ali está nas mãos do Boninho...justiça seja feita e conduzidos pelo Bial,,,daria uma excelente edição...Um povo que em uma semana já  agitou...e muito...
Algus dos participantes...me surpreenderam....o Rodrigo Simões...com aparência de ogro...mas até agora mostrou  uma  alma muito sensível...vamos ver se permanece  conciliador.. e estruturador...  Angelis saiu da obscuridade para a pessoa que amis se destacou no jogo ao tomar a defesa de Rafael..de forma desproporcional...assim como foi desproporcional a reação de Haisan...nenhuma mulher comprometida ao ser assediada...tem jogo de cintura para contornar a situação e não reage como uam donzela desrespeitada...Hayzam, Halan...Grabiela e Sacramento já mostraram suas garrras...vieram para causar..se o barraco deles cair no gosto do público como caiu o de Joana têm grande chance da chegar à final....vamos agauardar ainda é muito cedo para posições radicais ou  torcidas ..                                                           

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

MUDANÇAS



Mudanças seja qual for, é complicada.
A interrupção daqueles dia a dia trás desconforto,
É como chegar numa encruzilhada
Sem saber onde será o próximo porto.
A calmaria perde o seu passo,
Tudo parece que foi destruído
Onde só sentimos total fracasso
Como um rio totalmente poluído.
Nesta hora os ombros se curvam,
O passo fica pesado com tamanho fardo.
Não há conselhos que sobrepujam
Tamanha agonia que serve de tablado.
O fiel da balança perde seu valor.
Um lado fica mais leve ao ser comparado,
E não há diálogo que possa ser endossado.
Cria-se uma montanha de difícil acesso,
E agora, quem deverá ceder?
Não há qualquer chance neste triste processo,
E o amor, que era eterno, irá adormecer.

Acyr Gomes

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Somente uma lembrança

 


Bem pessoal.........hoje é dia de inauguração do meu blog.....espero que gostem.....


Um bom dia a todos

NÓ CEGO






























domingo, 4 de novembro de 2012

AMOR SEM FRONTEIRAS



Das alegrias que tenho na vida você se destaca.
Quando observo suas meninas tão azuis como o firmamento,
Meu desejo salta a voz que nem uma matraca
E o amor apimenta este bendito alimento.
No oceano da paixão navego sem sofrer calmaria
Que impulsionado pelo vento das asas do cupido,
Vem a indagação: Viver sem você o que me adiantaria?
Pois seria um ser totalmente combalido,
Você é a fada que sempre amei,
A felicidade que um dia pensei em ter,
O perfeito perfume que procurei
E que não existe em qualquer outro ser.
São estes os mandamentos para mim:
Te amar, te desejar e te buscar até o fim.
Não existe contra indicação neste amor,
E não há regime para tanto ardor.
Quero ser um gênio para na minha lâmpada te alojar,
E a todo instante com ternura te afagar.
No seu império da beleza quero me aprisionar
E nele viver até me faltar o necessário ar.
Neste investimento de amor só tenho lucro,
E dia após dia vou ficando mais rico.
Greve de amor não faz parte do meu viver,
Pois batalharei por ele do amanhecer ao amanhecer.

Acyr Gomes

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

DEVE, PAGA




Com um rato do deserto, que poderia ser pato,
Ele surgiu quente e frio.
Quente para tramar, um fato,
E frio para enganar, criando um horrível trio.
Ao pódio mais alto foi elevado,
E muito bem assessorado, infantilmente,
Abocanhou o prêmio tão almejado
Sem dar a entender da sua índole doente.
Promessas e juras vieram, como as suas suiças,
E endossado pelos fraternos do mal
Cultivou no seu canteiro as hortaliças
Que guardava em sua cavidade visceral.
O golpe do, toma que o filho é teu, chegou sem avisar.
Nesta hora o eu, eu, eu, ficou a ver navios.
Se fosse negar, a incerteza ficaria no ar,
Então o remédio foi aceitar os desvios.
Quem deve paga as dívidas contraídas,
Para isto existe as Leis dos homens de bem.
Não adiantará forjar recaídas,
Pois terá que pagar vintém por vintém.

Acyr Gomes

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

RIFA



Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista.
Um coração como poucos.
Um coração à moda antiga.
Um coração moleque
que insiste em pregar peças no seu usuário.
Rifa-se um coração
que na realidade está um pouco usado, meio  calejado,
muito machucado e que teima em alimentar sonhos
e cultivar ilusões.
Um pouco inconseqüente
que nunca desiste de acreditar nas pessoas.
Um leviano e precipitado coração
que acha que Tim Maia estava certo quando
escreveu...
"...não quero dinheiro, eu quero amor sincero, é isso que eu
espero...".
Um idealista...
Um verdadeiro sonhador...
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Que não endurece, e mantém sempre viva a esperança de ser feliz,
sendo simples e natural.
Um coração insensato
que comanda o racional
sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida
que vive procurando relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração
que insiste em cometer sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe.
Perde o juízo por completo em nome de causas e paixões.
Sai do sério e, às vezes revê suas posições
arrependido de palavras e gestos.
Este coração tantas vezes incompreendido.
Tantas vezes provocado.
Tantas vezes impulsivo.
Rifa-se este desequilibrado emocional
que abre sorrisos tão largos
que quase dá pra engolir as orelhas,
mas que também arranca lágrimas e faz murchar o rosto.
Um coração para ser alugado,
ou mesmo utilizado por quem gosta de emoções fortes.
Um órgão abestado
indicado apenas para quem quer viver intensamente
contra indicado para os que apenas pretendem passar pela vida
matando o tempo,
defendendo-se das emoções.
Rifa-se um coração
tão inocente que se mostra sem armaduras
e deixa louco o seu usuário.
Um coração que quando parar de bater
ouvirá o seu usuário dizer para São Pedro
na hora da prestação de contas:
"O Senhor pode conferir.
Eu fiz tudo certo, só errei quando coloquei sentimento.
Só fiz bobagens e me dei mal
quando ouvi este louco coração de criança
que insiste em não endurecer
e se recusa a envelhecer"
Rifa-se um coração,
ou mesmo troca-se por outro
que tenha um pouco mais de juízo.
Um órgão mais fiel ao seu usuário.
Um amigo do peito que não maltrate tanto o ser que o abriga.
Um coração que não seja tão inconseqüente.
Rifa-se um coração cego, surdo e mudo,
mas que incomoda um bocado.
Um verdadeiro caçador de aventuras que ainda não foi adotado, provavelmente, por se recusar
a cultivar ares selvagens ou racionais,
por não querer perder o estilo.
Oferece-se um coração vadio, sem raça, sem pedigree.
Um simples coração humano.
Um impulsivo membro de comportamento
até meio ultrapassado.
Um modelo cheio de defeitos
que mesmo estando fora do mercado,
faz questão de não se modernizar,
 mas vez por outra, constrange o corpo que o domina.
Um velho coração
que convence seu usuário a publicar seus segredos
e a ter a
petulância de se aventurar como poeta
 Clarice Lispector

sábado, 27 de outubro de 2012

VÁRIOS CAMINHOS



Há caminhos cheios de pedras,
Mas também há caminhos suaves como seda.
Àqueles são cruzados por resistentes cerdas,
Este, podemos pisar sem medo que ele ceda.
Sua condução depende de cada ser,
E o comboio pode conter cargas preciosas,
Mas pode se inverter
Transitando com dinamites poderosas.
O desvio de conduta é  uma prova cabal
De resistência que encontramos no dia a dia.
Alguns não respeitam o Divino sinal,
Mas a maioria, acredito, faz escorrer pela pia.
Neste circuito louco de desafio,
Vence aquele que tem mais brio,
Pois quando a bandeja é oferecida contendo o mal,
Se declina, pois sabe que contém um fétido lamaçal.
A terrível influência do mal é persistente.
É o princípio do fim que se deve evitar.
É como uma grande dor de dente
A qual precisa tratar até se curar.
Nossa ceia diária deve ser de amor,
E como sobremesa o pudim da humildade,
Aí comemos até fartar
Pois ELE está ali com sua fidelidade.

Acyr Gomes

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

SÓ TEM BAGULHO


O eleitor é obrigado a votar,
Não adianta se rebelar e nem se escabelar.
A felicidade do candidato é a vitória,
E a sorte lhe dará a chance de ficar na história.
Outrora, votar no candidato era um orgulho,
Hoje, só encontramos para votar em bagulho.
Antes, era honroso ser político
Que a todos cumprimentava com fidalguia,
Hoje, ele se esconde atrás do portico
E deste "nobre" temos total alergia.
Burla as Leis porque se diz dono dela.
Seu único alvo é enriquecer
Não se importando se é por linhas diretas ou por tabela,
E sim, vencer para receber.
Proclamam a desonra total.
Somente aprovam coisas que dão vantagens.
Sendo que para eles só existe uma final
Onde a riqueza indevida vem das malandragens.
A cada ano é um movimento crescente de podridão.
Não estão nem aí para aqueles que percebem,
Não se importando com o resto da nação
Onde a saúde, a educação e o bem-estar perecem.
Só abrem a boca para arrotar,
E quem ousar a primeira pedra atirar,
Terá que lutar para o seu bom nome limpar,
Pois argumentos criarão para o indivíduo esquartejar.
Eles se escondem da Justiça.
A qualquer custo se livram da prisão,
Só pensam na maldita e cruel cobiça,
Mas esquecem que ELE cochila, mas não dorme não!!!
Acyr Gomes

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

JURAMENTO FALSO


Tenho abominação por política,
É um verdadeiro tédio aguentar estes dias.
Minha saúde se abala e fica crítica
Ao ouvir todo dia essas porcarias.
A frieza com que fazem seus juramentos
Deixa muitos empolgados e em tentação,
Não passam de uma jumentada de elementos
Que depois verão que m* se meteram na votação.
O desejo de mudanças virá prontamente,
Com o descuido o pepino ficará grosso
Agora, resta engoli-lo suavemente
E se lembrar para que na próxima não haja endosso.
Na verdade fica muito difícil as escolhas,
Mas para alguns é...tanto faz como tanto fez
Pois são todos uns bolhas
Que deveriam ser jogados no Canal de Suez.
A ambição dá lugar a razão.
O que era um desafio a vencer,
Vira alvo de coletiva gozação
E no final o que resta é um bando escolher para se favorecer.
Frescos, machos, carrancudos e até finos,
São impassíveis ao que lhes foi ensinado.
Como lema: Ganhar muito e viver como granfinos
Mantendo o nariz sempre empinado.
A dignidade e o brio passam longe.
A soberba faz morada coletiva.
A carapuça do mal não é como a do monge,
E ano após ano vão vivendo dessa repugnante vida ativa.
Acyr Gomes

livefyre

JOGUINHO DAS BOLINHAS

Para se cadastrar no shoutbox

Esta é a URL no seu shoutbox:
http://NoeBengala.freeshoutbox.net/
Dar este endereço para seus amigos e começar a conversar

Shoutbox